terça-feira, 2 de março de 2010

Atomos de cores vivas




Varias bolinhas de cores vivas. Cada uma feita ligeiramente diferente da outra de maneira a dar a impressão que são diferentes, mas são tantas e tão pequenas que nem valeria o trabalho de classifica-las ou adiciona-las ao compendium universalis eternum, tão efêmera é sua duração.

Mas o que difere uma bolinha de outra é o fato desta ter sua duplicata etérea, um fantasma, uma alma, que existe ainda quando a bolinha não mais é. E torna-se mais e mais a essencia das bolinhas onde houve ser, pois esta é sua memória eterna, mas não sua consciência. Esta evolui alimentada de experiencias e não de fatos.

Estas bolinhas todas se existissem, morariam dentro de um espaço quase infinito, sendo isto dentro de um átomo de um lugar como aqui, com milhares atomos por molécula e milhões de moleculas por particula que agrupadas aos trilhões fazem os compostos básicos para a nossa vida. E aqui estamos, olhando o céu cheio de estrelas, de nossa janela num predio de uma cidade num pais de tal continete do planeta Terra, terceiro planeta distante do sol 150 milhões de kilometros que por sua vez situa-se num dos rabinhos da via lactea onde existem trilhões de outros sistemas solares compondo a nossa galaxia que esta longe quase um milhão de vezes o seu tamanho, da galaxia mais proxima... e são trilhões de galaxias de tamanhos e dimensões quase impossiveis de imaginar.

Tudo bem, tem um so Deus, mas vai dizer que ele não criou uma hierarquia infinita de subdeuses para ajuda-lo? Deus é Workaholic? Se criou as bolinhas, criou bolonas para cuidar das bolinhas numa matematica infalivel, sua marca registrada pois até o falhar é divino. Eu arrisco o palpite de que é muito dificil uma entrevista com o criador de tal magnitude sem passar por uma eternidade de secretarios e subdiretores infinitos por eon e eons. Ha um caminho e estamos nele. Não ha jeito de escapar portanto, se temos de percorre-lo, melhor recorrer a valores dignos de serem vivenciados como curiosidade, atividade, amor, coperatividade, construir uma consciência estruturada, sabia, compassiva, ter senso de humor, ser menos vulcano sem ser klingon.

Talvez todo nosso universo com suas galaxias estejam dentro de um atomo de outro universo e considerando o infinito estonteante de possibilidades é apenas mais uma idéia ridicula assim como o são todos os calculos que fazem as bolinhas para se localizar no universo e se situar no tempo. A vida é breve, Tempus Fugit, o tempo passa e nós com ele.

Ilustração e texto: Sergio Cajado
.

Um comentário:

Juliana disse...

Um post do jeito que eu gosto... esse é o CajadOmatic! Mais uma vez coincidimos nas idéias. Fui ao delírio! Que dizer mais? É um prazer vir aqui!