quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Todos


Pode ser que sim, mas a duvida sempre nos aflige.

Pode parecer irreal, acontece que as vezes é fato.

As vezes pesa, e nos tornamos talvez amargos.

Quando é bom, parece que ja passou. Se é ruim, parece que nunca acaba.

Mas as ruas continuam lotadas de pessoas com seus cerebros efervecentes, fumegando vida, impregnando o ar com seus pensamentos secretos. E a cada noite nascem mil meninas e meninos que levarão uma vida cheia de ímpares e pares. Não saberão do futuro assim como todos os outros mas terão esperança em determinado ponto de sua jornada. Não que isso seja importante, mas estamos todos a bordo da mesma nave.

E se o tempo passa, assim, sem alarde, constroi ao mesmo tempo que destroi modificando continuamente todos os destinos. Podemos prever que nada será igual e que nada saberemos antes que aconteça. Podemos imaginar que sabemos mas quando assim for saberemos nosso não saber e então virá um momento lindo de paz.

Os inimigos de nossos inimigos não são necessariamente nossos amigos. São pontos de referencia, átomos que se chocam com seus proprios eletrons destruindo suas propriedades naturais, sombras de momentos. Porisso não devemos mais chorar, apenas entender. Mas isso pode custar uma vida inteira e ha os que nunca alcançarão esta gloria. Somos uma multidão de onde a natureza escolhe determinados individuos para destinos imcompreensiveis. Escolhe um.
Vc é este um?

Na verdade penso que podemos escolher ser este um. Todos podemos se-lo pois ha espaço para tudo no universo infinito. Mas alguns preferem ser a multidão embora se julguem unicos, unicos componentes de um conjunto de seres que se esvaem como o açucar na agua, tornando-se homogeneos em seu pensar. Então surge a massa, a multidão e todos estão certos. A massa vai sugando a identidade, a personalidade até derreter toda a individualidade dos seres.

Certas pessoas são como caroços nesta massa global e assim como uma ferpa são expulsos do organismo pelos anticorpos evangelizadores. E assim nos tornamos estúpidos.

O que falta? Talvez um pouco de busca, curiosidade, talvez falte respeito, compaixão. Não podemos ser mesmo todos ecleticos embora devessemos. Não deviamos todos ver a rede Globo e suas novelas manipuladoras nem deviamos aceitar ser governados por aqueles que nos roubam e nos tem desprezo. Não deviamos comprar gasolina da Petrobras nem aceitar as filas dos bancos. Não deviamos pagar ICM na conta de luz. Nem pagar para guardar dinheiro nos bancos para depois sermos barrados na entrada do banco pelos seguranças. Não deviamos rir quando alguem se machuca ou cai.

Não sei do futuro, posso apenas imagina-lo. Queria apenas que pudessemos nos olhar nos olhos.

.

5 comentários:

Juliana disse...

Ó meu texto aqui:
http://ju-alves-blog.blogspot.com/

Juliana disse...

Vixe... confesso que esse texto é um tanto complexo para mim! Minha cabeça recém-acordada e razoavelmente loira se recusa a processar tudo, mas como o li três vezes percebi que tem trocentas questões nas quais costumo pensar e que merecem um pouco mais de atenção da "massa" do que esta vem dando. Você não acha que devia ter filosofia na escola desde cedo?

Sakana-san disse...

Escolhi ser cisco em meio à multidão.

sueli aduan disse...

Lindo texto,Sérgio, a(s) dúvida(s) sempre a nos acompanhar,maravilha que assim o seja, tenho medo das certezas elas nos acomodam.
Sempre o eterno "perguntar" (se).

..."e que nada saberemos antes que aconteça".
(talvez por por isso viver seja maravilhoso)
abs

dade amorim disse...

Difícil é viver, maravilhoso é viver. As dúvidas e inseguranças inclusive.
Bom demais teu texto.